segunda-feira, julho 24, 2017

O ilustrado que discute com o apoucado carrega água num cesto

Art. 7 — Se Deus é o objeto desta ciência. Suma Teológica. São Tomás de Aquino

Art. 7 — Se Deus é o objeto desta ciência.
(I Sent. Prol., a. 4; in Boet., De Trin., q. 5, a. 4).
O sétimo discute-se assim — Parece não ser Deus o objeto desta ciência.
1. — Pois é necessário, em qualquer ciência, supor a essência do objeto, segundo o Filósofo. Ora, esta
ciência não supõe a essência de Deus, pois, diz Damasceno: É impossível assinalar a essência divina.
Donde, não é Deus o objeto desta ciência.
2. Demais — abrange o objeto da ciência tudo o que ela trata. Porém, na sagrada doutrina, há muitos
outros assuntos além de Deus, p. ex.: as criaturas e os costumes humanos. Logo, não é Deus o objeto
desta ciência.
Mas, em contrário, objeto da ciência é o assunto nela principalmente tratado. Ora, Deus é o assunto
principal desta ciência, pois é chamada teologia ou tratado de Deus. Logo, Deus é o objeto desta ciência.
SOLUÇÃO. — Deus é o objeto desta ciência, porque o objeto está para a ciência como para a potência
ou hábito. Ora, propriamente, é considerado objeto de potência ou hábito aquilo sob cujo aspecto se
lhes refere qualquer coisa. Donde, referindo-se à vista, enquanto coloridos, o homem e a pedra, é a cor
o objeto próprio da vista. Ora, a sagrada doutrina tudo trata com referência a Deus, por tratar ou do
mesmo Deus ou das coisas que lhe digam respeito, como princípio ou fim. Pelo que, é Deus,
verdadeiramente, o objeto desta ciência — o que também se demonstra pelos princípios da dita ciência,
ou artigos da fé, de que Deus é objeto. Ora, idêntico objeto têm os princípios e toda a ciência, por estar
a última, total e virtualmente, contida nos princípios. — Certos, porém, atendendo às matérias tratadas
e não ao ponto-de-vista, a esta ciência assinalaram outro objeto; como, a realidade e os símbolos, ou as
obras da reparação; ou todo Cristo, i.é., a cabeça e os membros. E, com efeito, são consideradas nesta
ciência todas essas matérias, se bem com relação a Deus.
DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Embora seja impossível conhecermos a essência divina,
contudo nesta doutrina, lhe usamos do efeito, no domínio natural ou da graça, em vez da definição da
causa, para daí tirar as conclusões da ordem divina, consideradas na mesma doutrina. Assim como, em
certas ciências filosóficas, pelo efeito se demonstra algo da causa, tomando aquele em lugar da
definição desta.
RESPOSTA À SEGUNDA. — Todos os demais assuntos tratados na doutrina sagrada estão incluídos em
Deus, não como partes, espécies ou acidentes, mas como a ele de certo modo ordenados.

Matisse. Pintura

Resultado de imagem para jazz matisse painter

Blog do Charles Fonseca: Antonio Veneziano. Pintura

Clique
Blog do Charles Fonseca: Antonio Veneziano. Pintura: Apostle James the Greater c. 1384 ANTONIO VENEZIANO (active 1369-1419) Medieval Italian painter (Venice)

Blog do Charles Fonseca: Antonio Canova - Letizia Ramolino Bonaparte, 1804-...

Blog do Charles Fonseca: Antonio Canova - Letizia Ramolino Bonaparte, 1804-...

Sem que nem pra que me apresentou o atual. Senti náusea.

domingo, julho 23, 2017

Qual a minha contribuição hoje para o mundo?

Blog do Charles Fonseca: Amada lua. Charles Fonseca. Poesia

Blog do Charles Fonseca: Amada lua. Charles Fonseca. Poesia: AMADA LUA Charles Fonseca É noite. Nas ruas sóis de mercúrio. A lua sozinha no firmamento Passeia no céu em tom de lamento, Clareia so...

Blog do Charles Fonseca: 11. Trair sua mulher uma única vez e ficar arrepen...

Blog do Charles Fonseca: 11. Trair sua mulher uma única vez e ficar arrepen...

Cada mulher é um inconsciente que aflora fantasiado só para nos deixar embevecido qual Ulisses em busca de Penélope.

Vivian Maier. Fotografia


Blog do Charles Fonseca: Velho casarão.

Blog do Charles Fonseca: Velho casarão.: VELHO CASARÃO Charles Fonseca Ah! meu velho casarão Da Fazenda São João! De ti tenho só saudade. Que pena em te ver só, Branco azul avermel...

Vá ao shopping se acostumar com o fortuito

Converse com pessoa desconhecida sem risco de sedução

Ela

Não posso me queixar de que não tenho um 'cumpanhêro' fanático. É hilário.

Blog do Charles Fonseca: Canto do galo. Charles Fonseca. Poesia

Blog do Charles Fonseca: Canto do galo. Charles Fonseca. Poesia: CANTO DO GALO Charles Fonseca Um dia quem sabe uma noite o luar a sombra vadia nos corações uma agonia uma saudade um açoite. Quem s...

Quando no Brasil vai ser aplaudido um belo gol do adversário?

Lugar de exacerbar emoções não é na Igreja Católica. É lugar de contrição.

O Caminho mostra o caminho

sábado, julho 22, 2017

Ex-fanáticos silenciosos merecem condescendência obsequiosa

Aprenda a rezar o Terço

Velásquez. Pintura

Nunca deixe de ter um cão. Desde o totó ao destruidor de ladrão.

Agradeço a Deus ter me dado a oportunidade de conhecer Tilly

Apocalipse, 17

1 Veio, então, um dos sete Anjos que tinham as sete taças e falou comigo: Vem, e eu te mostrarei a condenação da grande meretriz, que se assenta à beira das muitas águas,

2 com a qual se contaminaram os reis da terra. Ela inebriou os habitantes da terra com o vinho da sua luxúria.

3 Transportou-me, então, em espírito ao deserto. Eu vi uma mulher assentada em cima de uma fera escarlate, cheia de nomes blasfematórios, com sete cabeças e dez chifres.

4 A mulher estava vestida de púrpura e escarlate, adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas. Tinha na mão uma taça de ouro, cheia de abominação e de imundície de sua prostituição.

5 Na sua fronte estava escrito um nome simbólico: Babilônia, a Grande, a mãe da prostituição e das abominações da terra.

6 Vi que a mulher estava ébria do sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus; e esta visão encheu-me de espanto.

7 Mas o anjo me disse: Por que te admiras? Eu mesmo te vou dizer o simbolismo da mulher e da Fera de sete cabeças e dez chifres que a carrega.

8 A Fera que tu viste era, mas já não é; ela deve subir do abismo, mas irá à perdição. Admirar-se-ão os habitantes da terra, cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde o começo do mundo, vendo reaparecer a Fera que era e já não é mais.

9 Aqui se requer uma inteligência penetrante. As sete cabeças são sete montanhas sobre as quais se assenta a mulher.

10 São também sete reis: cinco já caíram, um subsiste, o outro ainda não veio; e quando vier, deve permanecer pouco tempo.

11 Quanto à Fera que era e já não é, ela mesma é um oitavo (rei). Todavia, é um dos sete e caminha para a perdição.

12 Os dez chifres que viste são dez reis que ainda não receberam o reino, mas que receberão por um momento poder real com a Fera.

13 Eles têm o mesmo pensamento: transmitir à Fera a sua força e o seu poder.

14 Combaterão contra o Cordeiro, mas o Cordeiro os vencerá, porque é Senhor dos senhores e Rei dos reis. Aqueles que estão com ele são os chamados, os escolhidos, os fiéis.

15 O anjo me disse: As águas que viste, à beira das quais a Prostituta se assenta, são povos e multidões, nações e línguas.

16 Os dez chifres que viste, assim como a Fera, odiarão a Prostituta. Hão de despojá-la e desnudá-la. Hão de comer-lhe as carnes e a queimarão ao fogo.

17 Porque Deus lhes incutiu o desejo de executarem os seus desígnios, de concordarem em ceder sua soberania à Fera, até que se cumpram as palavras de Deus.

18 A mulher que viste é a grande cidade, aquela que reina sobre os reis da terra.

A anteflexão de todo o corpo faz lembrar dela e daquilo

sexta-feira, julho 21, 2017

Do bem


A fé não é um salto no escuro

Não esconda a papada própria da idade

Onde você está no que posta?

Sintra. Portugal.


Picasso. Pintura

Resultado de imagem para Pomba da Paz picasso

Mulheres são como maçãs. Machado de Assis

MULHERES SÃO COMO MAÇÃS
Machado de Assis

Mulheres são como maçãs em árvores.
As melhores estão no topo.
Os homens não querem alcançar essas boas,
porque eles têm medo de cair e se machucar.
Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão,
que não são boas como as do topo,
mas são fáceis de se conseguir.

Assim, as maçãs no topo pensam
que algo está errado com elas,
quando na verdade ELAS são maravilhosas...
Elas têm que esperar um pouco mais
para o homem certo chegar...
aquele que é valente o bastante
para escalar até o topo da árvore.

Apaixonadamente. Charles Fonseca. Fotografia


No Whatsapp só dialogue com pessoas refinadas

quinta-feira, julho 20, 2017

Soneto Charles Baudelaire.


Estou com vergonha da vergonha alheia

Florianópolis os acolhe


Cuidado com a preterida

Só hospedamos parentes próximos e amigos permanentes de longa data

É assim que vivemos nós dois


Atos dos Apóstolos, 17

1.Passaram por Anfípolis e Apolônia e chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus. 2.Paulo dirigiu-se a eles, segundo o seu costume, e por três sábados disputou com eles. 3.Explicava e demonstrava, à base das Escrituras, que era necessário que Cristo padecesse e ressurgisse dos mortos. E este Cristo é Jesus que eu vos anuncio. 4.Alguns deles creram e associaram-se a Paulo e Silas, como também uma grande multidão de prosélitos gentios, e não poucas mulheres de destaque. 5.Os judeus, tomados de inveja, ajuntaram alguns homens da plebe e com esta gente amotinaram a cidade. Assaltaram a casa de Jasão, procurando-os para os entregar ao povo. 6.Mas como não os achassem, arrastaram Jasão e alguns irmãos à presença dos magistrados, clamando: Estes homens amotinam todo o mundo. Estão agora aqui! E Jasão os acolheu! 7.Todos eles contrariam os decretos de César, proclamando outro rei: Jesus. 8.Assim excitavam o povo e os magistrados. 9.E só depois de receberem uma caução de Jasão e dos outros é que os deixaram ir. 10.Logo que se fez noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia. Quando ali chegaram, entraram na sinagoga dos judeus. 11.Estes eram mais nobres do que os de Tessalônica e receberam a palavra com ansioso desejo, indagando todos os dias, nas Escrituras, se essas coisas eram de fato assim. 12.Muitos deles creram, como também muitas mulheres gregas da aristocracia, e não poucos homens. 13.Mas os judeus de Tessalônica, sabendo que também em Beréia tinha sido pregada por Paulo a palavra de Deus, foram para lá agitar e sublevar o povo. 14.Então os irmãos fizeram que Paulo se retirasse e fosse até o mar, ao passo que Silas e Timóteo ficaram ali. 15.Os que conduziam Paulo levaram-no até Atenas. De lá voltaram e transmitiram para Silas e Timóteo a ordem de que fossem ter com ele o mais cedo possível. 16.Enquanto Paulo os esperava em Atenas, à vista da cidade entregue à idolatria, o seu coração enchia-se de amargura. 17.Disputava na sinagoga com os judeus e prosélitos, e todos os dias, na praça, com os que ali se encontravam. 18.Alguns filósofos epicureus e estóicos conversaram com ele. Diziam uns: Que quer dizer esse tagarela? Outros: Parece que é pregador de novos deuses. Pois lhes anunciava Jesus e a Ressurreição. 19.Tomaram-no consigo e levaram-no ao Areópago, e lhe perguntaram: Podemos saber que nova doutrina é essa que pregas? 20.Pois o que nos trazes aos ouvidos nos parece muito estranho. Queremos saber o que vem a ser isso. 21.Ora (como se sabe), todos os atenienses e os forasteiros que ali se fixaram não se ocupavam de outra coisa senão a de dizer ou de ouvir as últimas novidades. 22.Paulo, em pé no meio do Areópago, disse: Homens de Atenas, em tudo vos vejo muitíssimo religiosos. 23.Percorrendo a cidade e considerando os monumentos do vosso culto, encontrei também um altar com esta inscrição: A um Deus desconhecido. O que adorais sem o conhecer, eu vo-lo anuncio! 24.O Deus, que fez o mundo e tudo o que nele há, é o Senhor do céu e da terra, e não habita em templos feitos por mãos humanas. 25.Nem é servido por mãos de homens, como se necessitasse de alguma coisa, porque é ele quem dá a todos a vida, a respiração e todas as coisas. 26.Ele fez nascer de um só homem todo o gênero humano, para que habitasse sobre toda a face da terra. Fixou aos povos os tempos e os limites da sua habitação. 27.Tudo isso para que procurem a Deus e se esforcem por encontrá-lo como que às apalpadelas, pois na verdade ele não está longe de cada um de nós. 28.Porque é nele que temos a vida, o movimento e o ser, como até alguns dos vossos poetas disseram: Nós somos também de sua raça... 29.Se, pois, somos da raça de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro, à prata ou à pedra lavrada por arte e gênio dos homens. 30.Deus, porém, não levando em conta os tempos da ignorância, convida agora a todos os homens de todos os lugares a se arrependerem. 31.Porquanto fixou o dia em que há de julgar o mundo com justiça, pelo ministério de um homem que para isso destinou. Para todos deu como garantia disso o fato de tê-lo ressuscitado dentre os mortos. 32.Quando o ouviram falar de ressurreição dos mortos, uns zombavam e outros diziam: A respeito disso te ouviremos outra vez. 33.Assim saiu Paulo do meio deles. 34.Todavia, alguns homens aderiram a ele e creram: entre eles, Dionísio, o areopagita, e uma mulher chamada Dâmaris; e com eles ainda outros."

Goya. Pintura

Resultado de imagem para the art wolf goya

Nada melhor que valorizar em profundidade a temperatura das mulheres

Enquanto o Brasil não investir pesado em educação nunca deixará de ser um amontoado de ignorantes manipulados

quarta-feira, julho 19, 2017

"Onde você ainda se reconhece Na foto passada ou no espelho de agora?"

Toda pessoa encena em si um drama

Espia. Charles Fonseca. Prosa

Quase que ocorreu. Noite negra São João. Inda lembro como então. Ainda não já morreu. O rio passava manso. A meninada dormia. Mais ninguém à espia. Só a morena no avanço.
Junta então os dois leitos. Faz que vai e que vem. Bastava os dois no eito. A razão pára, espia.

Não faça jogo de gato e rato com petralha

"São João, 17

1.Jesus afirmou essas coisas e depois, levantando os olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora. Glorifica teu Filho, para que teu Filho glorifique a ti; 2.e para que, pelo poder que lhe conferiste sobre toda criatura, ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe entregaste. 3.Ora, a vida eterna consiste em que conheçam a ti, um só Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo que enviaste. 4.Eu te glorifiquei na terra. Terminei a obra que me deste para fazer. 5.Agora, pois, Pai, glorifica-me junto de ti, concedendo-me a glória que tive junto de ti, antes que o mundo fosse criado. 6.Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e deste-mos e guardaram a tua palavra. 7.Agora eles reconheceram que todas as coisas que me deste procedem de ti. 8.Porque eu lhes transmiti as palavras que tu me confiaste e eles as receberam e reconheceram verdadeiramente que saí de ti, e creram que tu me enviaste. 9.Por eles é que eu rogo. Não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus. 10.Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu. Neles sou glorificado. 11.Já não estou no mundo, mas eles estão ainda no mundo; eu, porém, vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me encarregaste de fazer conhecer, a fim de que sejam um como nós. 12.Enquanto eu estava com eles, eu os guardava em teu nome, que me incumbiste de fazer conhecido. Conservei os que me deste, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura. 13.Mas, agora, vou para junto de ti. Dirijo-te esta oração enquanto estou no mundo para que eles tenham a plenitude da minha alegria. 14.Dei-lhes a tua palavra, mas o mundo os odeia, porque eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. 15.Não peço que os tires do mundo, mas sim que os preserves do mal. 16.Eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo. 17.Santifica-os pela verdade. A tua palavra é a verdade. 18.Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. 19.Santifico-me por eles para que também eles sejam santificados pela verdade. 20.Não rogo somente por eles, mas também por aqueles que por sua palavra hão de crer em mim. 21.Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste. 22.Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam um, como nós somos um: 23.eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim. 24.Pai, quero que, onde eu estou, estejam comigo aqueles que me deste, para que vejam a minha glória que me concedeste, porque me amaste antes da criação do mundo. 25.Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci, e estes sabem que tu me enviaste. 26.Manifestei-lhes o teu nome, e ainda hei de lho manifestar, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles."

Gatíssimas. Fotografia .


O ano que não acabou. Charles Fonseca. Prosa

Nosso paraninfo em dezembro de 1968 foi o grande orador Jorge Novis. O orador da turma foi Renado Borges da Costa que logo após fugiu dos efeitos do AI 5 recentemente editado. O paraninfo adiou a festa de formatura sob o argumento de que a situação era muito grave. A turma deu em cima e a festa só foi realizada em janeiro e com a promessa cumprida de colocar um litro de whisky em casa mesa de "formando" conforme prometia à turma desse 1964. Mais que médico, colocou dentro do anfiteatro da Faculdade de Medicina da Bahia um piano de cauda e duas vezes na semana o Maestro Sérgio Magnani dava aula aos interessados sobre teoria e prática musical. Lamentavelmente abandonou a Bahia depois que em pleno concerto na Reitoria, ele regendo, jogaram sobre a orquestra uma esvoaçante galinha a cacarejar.

Freud


E como o tempo passa quero ver foto atualizada de todos.

A paz esteja contigo

Médico só tem o dever de conhecer Medicina

E no entanto...

terça-feira, julho 18, 2017

Monet. Pintura


Diversifique temas e abordagens para seu amigo fanático

Evandro Teixeira. Fotografia

Resultado de imagem para pinterest evandro teixeira

Se muito alfinetar desista

O nome de minha saudade é

Calados, é preciso não só prudência como coragem para se manifestar

São Lucas, 17

1.Jesus disse também a seus discípulos: É impossível que não haja escândalos, mas ai daquele por quem eles vêm! 2.Melhor lhe seria que se lhe atasse em volta do pescoço uma pedra de moinho e que fosse lançado ao mar, do que levar para o mal a um só destes pequeninos. Tomai cuidado de vós mesmos. 3.Se teu irmão pecar, repreende-o; se se arrepender, perdoa-lhe. 4.Se pecar sete vezes no dia contra ti e sete vezes no dia vier procurar-te, dizendo: Estou arrependido, perdoar-lhe-ás. 5.Os apóstolos disseram ao Senhor: Aumenta-nos a fé! 6.Disse o Senhor: Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: Arranca-te e transplanta-te no mar, e ela vos obedecerá. 7.Qual de vós, tendo um servo ocupado em lavrar ou em guardar o gado, quando voltar do campo lhe dirá: Vem depressa sentar-te à mesa? 8.E não lhe dirá ao contrário: Prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto como e bebo, e depois disto comerás e beberás tu? 9.E se o servo tiver feito tudo o que lhe ordenara, porventura fica-lhe o senhor devendo alguma obrigação? 10.Assim também vós, depois de terdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: Somos servos como quaisquer outros; fizemos o que devíamos fazer. 11.Sempre em caminho para Jerusalém, Jesus passava pelos confins da Samaria e da Galiléia. 12.Ao entrar numa aldeia, vieram-lhe ao encontro dez leprosos, que pararam ao longe e elevaram a voz, clamando: 13.Jesus, Mestre, tem compaixão de nós! 14.Jesus viu-os e disse-lhes: Ide, mostrai-vos ao sacerdote. E quando eles iam andando, ficaram curados. 15.Um deles, vendo-se curado, voltou, glorificando a Deus em alta voz. 16.Prostrou-se aos pés de Jesus e lhe agradecia. E era um samaritano. 17.Jesus lhe disse: Não ficaram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? 18.Não se achou senão este estrangeiro que voltasse para agradecer a Deus?! 19.E acrescentou: Levanta-te e vai, tua fé te salvou. 20.Os fariseus perguntaram um dia a Jesus quando viria o Reino de Deus. Respondeu-lhes: O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo. 21.Nem se dirá: Ei-lo aqui; ou: Ei-lo ali. Pois o Reino de Deus já está no meio de vós. 22.Mais tarde ele explicou aos discípulos: Virão dias em que desejareis ver um só dia o Filho do Homem, e não o vereis. 23.Então vos dirão: Ei-lo aqui; e: Ei-lo ali. Não deveis sair nem os seguir. 24.Pois como o relâmpago, reluzindo numa extremidade do céu, brilha até a outra, assim será com o Filho do Homem no seu dia. 25.É necessário, porém, que primeiro ele sofra muito e seja rejeitado por esta geração. 26.Como ocorreu nos dias de Noé, acontecerá do mesmo modo nos dias do Filho do Homem. 27.Comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. Veio o dilúvio e matou a todos. 28.Também do mesmo modo como aconteceu nos dias de Lot. Os homens festejavam, compravam e vendiam, plantavam e edificavam. 29.No dia em que Lot saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu, que exterminou todos eles. 30.Assim será no dia em que se manifestar o Filho do Homem. 31.Naquele dia, quem estiver no terraço e tiver os seus bens em casa não desça para os tirar; da mesma forma, quem estiver no campo não torne atrás. 32.Lembrai-vos da mulher de Lot. 33.Todo o que procurar salvar a sua vida, perdê-la-á; mas todo o que a perder, encontrá-la-á. 34.Digo-vos que naquela noite dois estarão numa cama: um será tomado e o outro será deixado; 35.duas mulheres estarão moendo juntas: uma será tomada e a outra será deixada. 36.Dois homens estarão no campo: um será tomado e o outro será deixado. 37.Perguntaram-lhe os discípulos: Onde será isto, Senhor? Respondeu-lhes: Onde estiver o cadáver, ali se reunirão também as águias."

Velásquez. Pintura

Sua cadeia sucessória de emoções começa com seus avós e termina com seus netos

segunda-feira, julho 17, 2017

Você que já experienciou não critique

Florianópolis

Já tomei banho pela manhã. Mas agora a 9 graus com sensação de 3 não vou sair da cama. Amanhã penso de novo no assunto.

Recorte. Charles Fonseca. Fotografia


São Mateus, 17

1.Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. 2.Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol, suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. 3.E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. 4.Pedro tomou então a palavra e disse-lhe: Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Falava ele ainda, quando veio uma nuvem luminosa e os envolveu. E daquela nuvem fez-se ouvir uma voz que dizia: Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-o. 6.Ouvindo esta voz, os discípulos caíram com a face por terra e tiveram medo. 7.Mas Jesus aproximou-se deles e tocou-os, dizendo: Levantai-vos e não temais. 8.Eles levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão unicamente Jesus. 9.E, quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos. 10.Em seguida, os discípulos o interrogaram: Por que dizem os escribas que Elias deve voltar primeiro? 11.Jesus respondeu-lhes: Elias, de fato, deve voltar e restabelecer todas as coisas. 12.Mas eu vos digo que Elias já veio, mas não o conheceram; antes, fizeram com ele quanto quiseram. Do mesmo modo farão sofrer o Filho do Homem. 13.Os discípulos compreenderam, então, que ele lhes falava de João Batista. 14.E, quando eles se reuniram ao povo, um homem aproximou-se deles e prostrou-se diante de Jesus, 15.dizendo: Senhor, tem piedade de meu filho, porque é lunático e sofre muito: ora cai no fogo, ora na água... 16.Já o apresentei a teus discípulos, mas eles não o puderam curar. 17.Respondeu Jesus: Raça incrédula e perversa, até quando estarei convosco? Até quando hei de aturar-vos? Trazei-mo. 18.Jesus ameaçou o demônio e este saiu do menino, que ficou curado na mesma hora. 19.Então os discípulos lhe perguntaram em particular: Por que não pudemos nós expulsar este demônio? 20.Jesus respondeu-lhes: Por causa de vossa falta de fé. Em verdade vos digo: se tiverdes fé, como um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para lá, e ela irá; e nada vos será impossível. Quanto a esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum. 21.Enquanto caminhava pela Galiléia, Jesus lhes disse: O Filho do Homem deve ser entregue nas mãos dos homens. 22.Matá-lo-ão, mas ao terceiro dia ressuscitará. E eles ficaram profundamente aflitos. 23.Logo que chegaram a Cafarnaum, aqueles que cobravam o imposto da didracma aproximaram-se de Pedro e lhe perguntaram: Teu mestre não paga a didracma? 24.Paga sim, respondeu Pedro. Mas quando chegaram à casa, Jesus preveniu-o, dizendo: Que te parece, Simão? Os reis da terra, de quem recebem os tributos ou os impostos? De seus filhos ou dos estrangeiros? 25.Pedro respondeu: Dos estrangeiros. Jesus replicou: Os filhos, então, estão isentos. 26.Mas não convém escandalizá-los. Vai ao mar, lança o anzol, e ao primeiro peixe que pegares abrirás a boca e encontrarás um estatere. Toma-o e dá-o por mim e por ti."

O patinador. Charles Fonseca. Fotografia


"A suprema arte da guerra é vencer o inimigo sem lutar" Sun Tzy

domingo, julho 16, 2017

A palavra branda desvia o furor mas a palavra dura suscita a ira

Confraria. Charles Fonseca. Prosa

Fico sensibilizado quando posto algo a que muitos visualizam. Significa pra mim que toquei na sua alma, no seu ser ético ou estético. Cerca de quatrocentos visualizam meu blog diariamente. Coŕresponde a uma assembléia de comuns de todos os lugares. Não os conheço.
Pela ordem Brasil, Estados Unidos, Rússia, Alemanha, Canadá, França, Portugal, Romênia e Irlanda.
Quem muito vê o blog muito me conhece. Alguns mais chegados que irmãos. Uma fraternidade. Uma confraria.

Um doce olhar. Charles Fonseca. Fotografia


Picasso. Pintura

Dora Maar com Gato

Sala de espera. Charles Fonseca. Prosa

SALA DE ESPERA
Charles Fonseca

Na verdade, um corredor do Hospital. Ali a família em espera, dezenas de amigos consternados em volta dela. O pai, um batista de quatro costados, lembrança de como se referia ao seu pai, amarrado simbolicamente ao mastro do navio chamado esperança. Que não havia. O adolescente nas últimas. A mãe me apresentou a desconhecidos, e dizendo meu nome acrescentou: é nosso amigo; pelo menos nesses momentos. Como sou grato à mesma!

Coqueiro. Charles Fonseca. Poesia

COQUEIRO
Charles Fonseca

Este vetusto coqueiro
Sustém musa que bela
A onda bate e espera
Por ela estrela luzeiro

Nas noites sob o luar
Nas madrugadas arfantes
Beijá-lá quer por instantes
Será a sereia do mar?

Pelas chamadas não atendidas você avalia prioridades

O fulcro da guerra é o inimigo

Caiana gostosa. Charles Fonseca. Poesia

CAIANA GOSTOSA.
Charles Fonseca

As águas passadas moveram moinhos
Moeram a cana cortada nos campos
Verde esperança só resta os prantos
Da agora garapa bagaço a caminho

De novo à terra à mãe extremosa
Um novo verdor vem da cepa desponta
Um novo mel a subir terra às pontas
Ponteia o pendão caiana gostosa.

Boquinha?

Não

Castelo


sábado, julho 15, 2017

Os Sertões de Euclides da Cunha

Já li "Os Sertões" de Euclides da Cunha que relata a história da luta do sertanejo dividido em três partes: A terra, O homem, A luta. Belíssimo. Um clássico da literatura nacional.

Tô com saudade d'ocê, gostosinha.

Quantos amores jurados pra sempre Quantos você conseguiu preservar...

Quer diminuir seu sofrer político? Não veja TV

Apocalipse, 16

"Apocalipse, 16 1.Ouvi, então, uma voz forte saindo do templo, que dizia aos sete Anjos: Ide, e derramai sobre a terra as sete taças da ira de Deus. 2.O primeiro, portanto, pôs-se a derramar a sua taça sobre a terra. Formou-se uma úlcera atroz e maligna nos homens que tinham o sinal da Fera e que se prostravam diante de sua imagem. 3.O segundo derramou a sua taça sobre o mar. Este tornou-se sangue, como o de um morto, e pereceu todo ser que estava no mar. 4.O terceiro derramou a sua taça sobre os rios e as fontes das águas, e transformaram-se em sangue. 5.Ouvi, então, o anjo das águas dizer: Tu és justo, tu que és e que eras o Santo, que assim julgas. 6.Porque eles derramaram o sangue dos santos e dos profetas, tu lhes deste também sangue para beber. Eles o merecem. 7.Ouvi o altar dizer: Sim, Senhor Deus Dominador, são verdadeiros e justos os teus julgamentos. 8.O quarto derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe dado queimar os homens com o fogo. 9.E os homens foram queimados por grande calor, e amaldiçoaram o nome de Deus, que pode desencadear esses flagelos; e não quiseram arrepender-se e dar-lhe glória. 10.O quinto derramou a sua taça sobre o trono da Fera. Seu reino se escureceu e seus súditos mordiam a língua de dor. 11.Amaldiçoaram o Deus do céu por causa de seus sofrimentos e das suas feridas, sem se arrependerem dos seus atos. 12.O sexto derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, e secaram-se as suas águas para que se abrisse caminho aos reis do oriente. 13.Vi (sair) da boca do Dragão, da boca da Fera e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs; 14.são os espíritos de demônios que realizam prodígios, e vão ter com os reis de toda a terra, a fim de reuni-los para a batalha do Grande Dia do Deus Dominador. 15.(Eis que venho como um ladrão! Feliz aquele que vigia e guarda as suas vestes para que não ande nu, ostentando a sua vergonha!) 16.Eles os reuniram num lugar chamado em hebraico Har-Magedon. 17.O sétimo derramou a sua taça pelos ares e saiu do templo uma grande voz do trono, que dizia: Está pronto! 18.Houve, então, relâmpagos, vozes e trovões, assim como um terremoto tão grande como jamais houve desde que há homens na terra. 19.A grande cidade foi dividida em três partes, e as cidades das nações caíram, e Deus lembrou-se da grande Babilônia, para lhe dar de beber o cálice do vinho de sua ira ardente. 20.Todas as ilhas fugiram, e montanha alguma foi encontrada. 21.Grandes pedras de gelo, que podiam pesar um talento, caíram do céu sobre os homens. Os homens amaldiçoaram a Deus por causa do flagelo da saraiva, pois este foi terrível."

Steve McCurry. Fotografia

Resultado de imagem para steve mccurry fotografia

Adoro tua

Risada gostosa

Caatinga. Charles Fonseca. Prosa

CAATINGA
Charles Fonseca

Aí minha mãe trabalhava nos Correios. Aí eu estudava inglês com ela que tomava aulas e me repassava o que aprendia. Aí ela sustentou a casa sozinha durante algum tempo quando meu pai, agente de tributos, resolveu prender duas ou três boiadas, até que o proprietário pagasse ao Estado o imposto de circulação da mercadoria. Mas o proprietário era o prefeito da cidade, vindo a ser depois governador do Estado. Ele pagou o tributo. Meu pai foi demitido antes de que ele viesse a ser governador logo a seguir. Foi nessa época que todos os dias saia com ele para a caatinga caçar nambú, juriti, rolinha, siriema, teiú. De vez em quando ele apontava o cano da espingarda para o chão e dizia: olhe o rastro dela; dela quem meu pai? Da suçuarana. Eu morria de medo da onça aparecer. Mas ele dizia, que nada, ela é mansa, é como um gato do mato... Fim da caçada, a carne estava assegurada para a mulher e os cinco filhos. Aí começou meu amor pela caatinga.

Esse negócio de 'beijo no seu coração' precisa ir às vias de fato.

quinta-feira, julho 13, 2017

Faça uma lista dos sonhos que tinha e quantos você desistiu de sonhar!

Sereno


Romanos, 16

1 Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que é diaconisa da igreja de Cêncris,

2 para que a recebais no Senhor, dum modo digno dos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós venha a precisar; porque ela tem ajudado a muitos e também a mim.

3 Saudai Prisca e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus;

4 pela minha vida eles expuseram as suas cabeças. E isso lhes agradeço, não só eu, mas também todas as igrejas dos gentios.

5 Saudai também a comunidade que se reúne em sua casa. Saudai o meu querido Epêneto, que foi as primícias da Ásia para Cristo.

6 Saudai Maria, que muito trabalhou por vós.

7 Saudai Andrônico e Júnias, meus parentes e companheiros de prisão, os quais são muito estimados entre os apóstolos e se tornaram discípulos de Cristo antes de mim.

8 Saudai Ampliato, amicíssimo meu no Senhor.

9 Saudai Urbano, nosso colaborador em Cristo Jesus, e o meu amigo Estáquis.

10 Saudai Apeles, provado em Cristo. Saudai aqueles que são da casa de Aristóbulo.

11 Saudai Herodião, meu parente. Saudai os que são da família de Narciso, que estão no Senhor.

12 Saudai Trifena e Trifosa, que trabalham para o Senhor. Saudai a estimada Pérside, que muito trabalhou para o Senhor.

13 Saudai Rufo, escolhido no Senhor, e sua mãe, que considero como minha.

14 Saudai Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas e os irmãos que estão com eles.

15 Saudai Filólogo e Júlia, Nereu e sua irmã, Olímpio e todos os irmãos que estão com eles.

16 Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. Todas as igrejas de Cristo vos saúdam.

17 Rogo-vos, irmãos, que desconfieis daqueles que causam divisões e escândalos, apartando-se da doutrina que recebestes. Evitai-os!

18 Esses tais não servem a Cristo nosso Senhor, mas ao próprio ventre. E com palavras adocicadas e linguagem lisonjeira enganam os corações simples.

19 A vossa obediência se tornou notória em toda parte, razão por que eu me alegro a vosso respeito. Mas quero que sejais prudentes no tocante ao bem, e simples no tocante ao mal.

20 O Deus da paz em breve não tardará a esmagar Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!

21 Saúdam-vos Timóteo, meu cooperador, Lúcio, Jasão e Sosípatro, meus parentes.

22 Eu, Tércio, que escrevi esta carta, vos saúdo no Senhor.

23 Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro, e de toda a Igreja.

24 Saúda-vos Erasto, tesoureiro da cidade, e Quarto, nosso irmão.

25 Àquele que é poderoso para vos confirmar, segundo o meu Evangelho, na pregação de Jesus Cristo - conforme a revelação do mistério, guardado em segredo durante séculos,

26 mas agora manifestado por ordem do eterno Deus e, por meio das Escrituras proféticas, dado a conhecer a todas as nações, a fim de levá-las à obediência da fé - ,

27 a Deus, único, sábio, por Jesus Cristo, glória por toda a eternidade! Amém.

Marcio Vasconcelos. Fotografia

Resultado de imagem para marcio vasconcelos fotografia

Quem você quer continuar vendo durante dez anos?

Quem você mais via há dez anos atrás?

Quer b ou p? Posta.

O principal medicamento é o médico

Os joão-de-barro são arquitetos formados na faculdade universal da criação de Deus. Maria Amália Lima

Todo petralha que se respeita desvia o foco para o secundário ou terciário

A lista. Oswaldo Montenegro. Poesia

Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais...
Faça uma lista dos sonhos que tinha
Quantos você desistiu de sonhar!
Quantos amores jurados pra sempre
Quantos você conseguiu preservar...
Onde você ainda se reconhece
Na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria
Quantos amigos você jogou fora?
Quantos mistérios que você sondava
Quantos você conseguiu entender?
Quantos segredos que você guardava
Hoje são bobos ninguém quer saber?
Quantas mentiras você condenava?
Quantas você teve que cometer?
Quantos defeitos sanados com o tempo
Eram o melhor que havia em você?
Quantas canções que você não cantava
Hoje assovia pra sobreviver?
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você?

A Lista (Oswaldo Montenegro)

Goya. Pintura

Boletim de ocorrência. Charles Fonseca. Poesia

BOLETIM DE OCORRÊNCIA
Charles Fonseca

Faço verso boletim
de ocorrência de vida
uma versão desvalida
do vero virou motim

Na minha nau capitã,
capitania dos portos,
não permito certos tortos
só ancoro terra chã

No porto dito verdade
nunca naquele versão
fico no cais solidão
com meus ais minha saudade.

Catedral de Notre Dame. Montreal. Fotografia


O devaneio.

"Estar presente no aqui-agora é uma grande dificuldade para muitos de nós, ... apesar do esforço para não devanear pelo passado e futuro, em detrimento de viver o presente."

Restrinja ao Whatsapp quem faz fogo amigo no Facebook

quarta-feira, julho 12, 2017

Reoriente os 'cumpanhêros' desorientados

Atos dos Apóstolos, 16

1.Chegou a Derbe e depois a Listra. Havia ali um discípulo, chamado Timóteo, filho de uma judia cristã, mas de pai grego, 2.que gozava de ótima reputação junto dos irmãos de Listra e de Icônio. 3.Paulo quis que ele fosse em sua companhia. Ao tomá-lo consigo, circuncidou-o, por causa dos judeus daqueles lugares, pois todos sabiam que o seu pai era grego. 4.Nas cidades pelas quais passavam, ensinavam que observassem as decisões que haviam sido tomadas pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém. 5.Assim as igrejas eram confirmadas na fé, e cresciam em número dia a dia. 6.Atravessando em seguida a Frígia e a província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra de Deus na (província da) Ásia. 7.Ao chegarem aos confins da Mísia, tencionavam seguir para a Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu. 8.Depois de haverem atravessado rapidamente a Mísia, desceram a Trôade. 9.De noite, Paulo teve uma visão: um macedônio, em pé, diante dele, lhe rogava: Passa à Macedônia, e vem em nosso auxílio! 10.Assim que teve essa visão, procuramos partir para a Macedônia, certos de que Deus nos chamava a pregar-lhes o Evangelho. 11.Embarcados em Trôade, fomos diretamente à Samotrácia e no outro dia a Neápolis; 12.e dali a Filipos, que é a cidade principal daquele distrito da Macedônia, uma colônia (romana). Nesta cidade nos detivemos por alguns dias. 13.No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. 14.Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração, para atender às coisas que Paulo dizia. 15.Foi batizada juntamente com a sua família e fez-nos este pedido: Se julgais que tenho fé no Senhor, entrai em minha casa e ficai comigo. E obrigou-nos a isso. 16.Certo dia, quando íamos à oração, eis que nos veio ao encontro uma moça escrava que tinha o espírito de Pitão, a qual com as suas adivinhações dava muito lucro a seus senhores. 17.Pondo-se a seguir a Paulo e a nós, gritava: Estes homens são servos do Deus Altíssimo, que vos anunciam o caminho da salvação. 18.Repetiu isto por muitos dias. Por fim, Paulo enfadou-se. Voltou-se para ela e disse ao espírito: Ordeno-te em nome de Jesus Cristo que saias dela. E na mesma hora ele saiu. 19.Vendo seus amos que se lhes esvaecera a esperança do lucro, pegaram Paulo e Silas e levaram-nos ao foro, à presença das autoridades. 20.Em seguida, apresentaram-nos aos magistrados, acusando: Estes homens são judeus; amotinam a nossa cidade. 21.E pregam um modo de vida que nós, romanos, não podemos admitir nem seguir. 22.O povo insurgiu-se contra eles. Os magistrados mandaram arrancar-lhes as vestes para açoitá-los com varas. 23.Depois de lhes terem feito muitas chagas, meteram-nos na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. 24.Este, conforme a ordem recebida, meteu-os na prisão inferior e prendeu-lhes os pés ao cepo. 25.Pela meia-noite, Paulo e Silas rezavam e cantavam um hino a Deus, e os prisioneiros os escutavam. 26.Subitamente, sentiu-se um terremoto tão grande que se abalaram até os fundamentos do cárcere. Abriram-se logo todas as portas e soltaram-se as algemas de todos. 27.Acordou o carcereiro e, vendo abertas as portas do cárcere, supôs que os presos haviam fugido. Tirou da espada e queria matar-se. 28.Mas Paulo bradou em alta voz: Não te faças nenhum mal, pois estamos todos aqui. 29.Então o carcereiro pediu luz, entrou e lançou-se trêmulo aos pés de Paulo e Silas. 30.Depois os conduziu para fora e perguntou-lhes: Senhores, que devo fazer para me salvar? 31.Disseram-lhe: Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família. 32.Anunciaram-lhe a palavra de Deus, a ele e a todos os que estavam em sua casa. 33.Então, naquela mesma hora da noite, ele cuidou deles e lavou-lhes as chagas. Imediatamente foi batizado, ele e toda a sua família. 34.Em seguida, ele os fez subir para sua casa, pôs-lhes a mesa e alegrou-se com toda a sua casa por haver crido em Deus. 35.Quando amanheceu, os magistrados mandaram os lictores dizer: Solta esses homens. 36.O carcereiro transmitiu essa mensagem a Paulo: Os magistrados mandaram-me dizer que vos ponha em liberdade. Saí, pois, e ide em paz. 37.Mas Paulo replicou: Sem nenhum julgamento nos açoitaram publicamente, a nós que somos cidadãos romanos, e meteram-nos no cárcere, e agora nos lançam fora ocultamente... Não há de ser assim! Mas venham e soltem-nos pessoalmente! 38.Os lictores deram parte dessas palavras aos magistrados. Estes temeram, ao ouvir dizer que eram romanos. 39.Foram e lhes falaram brandamente. Pedindo desculpas, rogavam-lhes que se retirassem da cidade. 40.Saindo do cárcere, entraram em casa de Lídia, onde reviram e consolaram os irmãos. Depois partiram."

Antônio Carlos Araújo. Pintura


"Não importa o quão alto você esteja, a lei ainda está acima de você"

Onde você diz que é baiano há leve inflexão no curso dos acontecimentos.

terça-feira, julho 11, 2017

Um poema, dez idéias, cem interpretações, mil senões.

Quem fala muito que não é, pode ser que seja.

Evandro Teixeira. Fotografia


É preferível ser julgado por sete do que ser carregado por seis

São Marcos, 16

1 Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para ungir Jesus.

2 E no primeiro dia da semana, foram muito cedo ao sepulcro, mal o sol havia despontado.

3 E diziam entre si: Quem nos há de remover a pedra da entrada do sepulcro?

4 Levantando os olhos, elas viram removida a pedra, que era muito grande.

5 Entrando no sepulcro, viram, sentado do lado direito, um jovem, vestido de roupas brancas, e assustaram-se.

6 Ele lhes falou: Não tenhais medo. Buscais Jesus de Nazaré, que foi crucificado. Ele ressuscitou, já não está aqui. Eis o lugar onde o depositaram.

7 Mas ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele vos precede na Galiléia. Lá o vereis como vos disse.

8 Elas saíram do sepulcro e fugiram trêmulas e amedrontadas. E a ninguém disseram coisa alguma por causa do medo.

9 Tendo Jesus ressuscitado de manhã, no primeiro dia da semana apareceu primeiramente a Maria de Magdala, de quem tinha expulsado sete demônios.

10 Foi ela noticiá-lo aos que estiveram com ele, os quais estavam aflitos e chorosos.

11 Quando souberam que Jesus vivia e que ela o tinha visto, não quiseram acreditar.

12 Mais tarde, ele apareceu sob outra forma a dois entre eles que iam para o campo.

13 Eles foram anunciá-lo aos demais. Mas estes tampouco acreditaram.

14 Por fim apareceu aos Onze, quando estavam sentados à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, por não acreditarem nos que o tinham visto ressuscitado.

15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura.

16 Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.

17 Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas,

18 manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados.

19 Depois que o Senhor Jesus lhes falou, foi levado ao céu e está sentado à direita de Deus.

20 Os discípulos partiram e pregaram por toda parte. O Senhor cooperava com eles e confirmava a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.

Céus. Charles Fonseca. Fotografia


Desejar ser. Manoel de Barros

DESEJAR SER
Manoel de Barros

Nasci para administrar o à-toa
o em vão
o inútil.

Pertenço de fazer imagens.
Opero por semelhanças.
Retiro semelhanças de pessoas com árvores
de pessoas com rãs
de pessoas com pedras
etc etc.

Retiro semelhanças de árvores comigo.
Não tenho habilidade pra clarezas.
Preciso de obter sabedoria vegetal.
(Sabedoria vegetal é receber com naturalidade uma rã no talo.)
E quando esteja apropriado para pedra, terei também sabedoria mineral.

Monet. Pintura

segunda-feira, julho 10, 2017

Se for pra te esquecer. Autor desconhecido

Se for pra te esquecer
Então avise
Não pra evitar que eu cometa outro deslize
Mas só pra ouvir tua voz como pretexto

Se for pra te deixar
Então implore
Mas sequer assim fará com que ignore
A luta que se estabelece em meu peito

Se for pra te ferir
Por favor,  mintaminta
Pois a dor em ti fará só com que eu sinta
O que o amor por si já tem me feito


Se for pra te gritar
Então me cale
Pois carrego tanto em mim que ninguém sabe
Que só com teu sorriso tenho jeito


Se for pra dizer adeus
Então me beija
Finja só por um segundo que o deseja
E depois apague a luz quando sair


Pois não quero que vejas em mim todo o desgosto
Que  transfigura e encharca o meu rosto
Por ver a mim mesma em ti partir

De tão frágil sempre conta vantagem

Sebastião Salgado. Fotografia


São Mateus, 16

"1.Os fariseus e os saduceus achegaram-se a Jesus para submetê-lo à prova e pediram-lhe que lhes mostrasse um milagre do céu. 2.Ele lhes respondeu: Quando vem a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado. 3.E de manhã: Hoje haverá tormenta, porque o céu está de um vermelho sombrio. 4.Hipócritas! Sabeis distinguir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos? Essa raça perversa e adúltera pede um milagre! Mas não lhe será dado outro sinal senão o de Jonas! Depois, deixando-os, partiu. 5.Ora, passando para a outra margem do lago, os discípulos haviam esquecido de levar pão. 6.Jesus disse-lhes: Guardai-vos com cuidado do fermento dos fariseus e dos saduceus. 7.Eles pensavam: É que não trouxemos pão... 8.Jesus, penetrando nos seus pensamentos, disse-lhes: Homens de pouca fé! Por que julgais que vos falei por não terdes pão? 9.Ainda não compreendeis? Nem vos lembrais dos cinco pães e dos cinco mil homens, e de quantos cestos recolhestes? 10.Nem dos sete pães para os quatro mil homens e de quantos cestos enchestes? 11.Por que não compreendeis que não é do pão que eu vos falava, quando vos disse: Guardai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus? 12.Então entenderam que não dissera que se guardassem do fermento do pão, mas da doutrina dos fariseus e dos saduceus. 13.Chegando ao território de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? 14.Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou um dos profetas. 15.Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? 16.Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! 17.Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. 18.E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. 19.Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. 20.Depois, ordenou aos seus discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Cristo. 21.Desde então, Jesus começou a manifestar a seus discípulos que precisava ir a Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos príncipes dos sacerdotes e dos escribas; seria morto e ressuscitaria ao terceiro dia. 22.Pedro então começou a interpelá-lo e protestar nestes termos: Que Deus não permita isto, Senhor! Isto não te acontecerá! 23.Mas Jesus, voltando-se para ele, disse-lhe: Afasta-te, Satanás! Tu és para mim um escândalo; teus pensamentos não são de Deus, mas dos homens! 24.Em seguida, Jesus disse a seus discípulos: Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. 25.Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, recobrá-la-á. 26.Que servirá a um homem ganhar o mundo inteiro, se vem a prejudicar a sua vida? Ou que dará um homem em troca de sua vida?... 27.Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai com seus anjos, e então recompensará a cada um segundo suas obras. 28.Em verdade vos declaro: muitos destes que aqui estão não verão a morte, sem que tenham visto o Filho do Homem voltar na majestade de seu Reino.  

Da Vinci. Dama com arminho

O violão. Charles Fonseca. Prosa

O VIOLÃO
Charles Fonseca

Tenho um violão que um amigo me pediu pra guardar depois que estando em viagem a mulher chegou com um caminhão baú e levou todo o conteúdo do apartamento de duzentos e doze metros quadrados onde moravam. Só restou o violão. Não sei onde ele mora. É  baiano como eu.

O mundo rural


Imigração ou emigração espontânea já dá o que pensar

Juramento de Hipócrates

"Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue:

Estimar, tanto quanto a meus pais, aquele que me ensinou esta arte; fazer vida comum e, se necessário for, com ele partilhar meus bens; ter seus filhos por meus próprios irmãos; ensinar-lhes esta arte, se eles tiverem necessidade de aprendê-la, sem remuneração e nem compromisso escrito; fazer participar dos preceitos, das lições e de todo o resto do ensino, meus filhos, os de meu mestre e os discípulos inscritos segundo os regulamentos da profissão, porém, só a estes.

Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém.

A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho que induza a perda. Do mesmo modo não darei a nenhuma mulher uma substância abortiva.

Conservarei imaculada minha vida e minha arte.

Não praticarei a talha, mesmo sobre um calculoso confirmado; deixarei essa operação aos práticos que disso cuidam.

Em toda casa, aí entrarei para o bem dos doentes, mantendo-me longe de todo o dano voluntário e de toda a sedução, sobretudo dos prazeres do amor, com as mulheres ou com os homens livres ou escravizados.

Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto.

Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça."

Um sexo que lateja dificulta o sublimar da alma

domingo, julho 09, 2017

Casa de Jorge Amado. Salvador


Orquídea


"São João, 15

1.Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará; 2.e podará todo o que der fruto, para que produza mais fruto. 3.Vós já estais puros pela palavra que vos tenho anunciado. 4.Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. O ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Assim também vós: não podeis tampouco dar fruto, se não permanecerdes em mim. 5.Eu sou a videira; vós, os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6.Se alguém não permanecer em mim será lançado fora, como o ramo. Ele secará e hão de ajuntá-lo e lançá-lo ao fogo, e queimar-se-á. 7.Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito. 8.Nisto é glorificado meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos. 9.Como o Pai me ama, assim também eu vos amo. Perseverai no meu amor. 10.Se guardardes os meus mandamentos, sereis constantes no meu amor, como também eu guardei os mandamentos de meu Pai e persisto no seu amor. 11.Disse-vos essas coisas para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa. 12.Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo. 13.Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos. 14.Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando. 15.Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai. 16.Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. Eu assim vos constituí, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda. 17.O que vos mando é que vos ameis uns aos outros. 18.Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. 19.Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia. 20.Lembrai-vos da palavra que vos disse: O servo não é maior do que o seu senhor. Se me perseguiram, também vos hão de perseguir. Se guardaram a minha palavra, hão de guardar também a vossa. 21.Mas vos farão tudo isso por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou. 22.Se eu não viesse e não lhes tivesse falado, não teriam pecado; mas agora não há desculpa para o seu pecado. 23.Aquele que me odeia, odeia também a meu Pai. 24.Se eu não tivesse feito entre eles obras, como nenhum outro fez, não teriam pecado; mas agora as viram e odiaram a mim e a meu Pai. 25.Mas foi para que se cumpra a palavra que está escrita na sua lei: Odiaram-me sem motivo (Sl 34,19; 68,5). 26.Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. 27.Também vós dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio"

Não chore. Alguns filhos não voltam jamais.

Haydn/Salomon Sinfonia n° 104 in Re Maggiore "London" - Hob. I:104

Dia de Santo na Bahia

Morei 65 anos na Bahia. Nunca tinha ido num Candomblé. Chegaram uns turistas amigos querendo conhecer. Em apuros pedir socorro a uma amiga. De um lado os homens do povo de Santo. Do outro as mulheres. De vez em quando meu amigo olhava para elas. Fiscalizando, olhava o que ele estava olhando. Intervalo. Pratos quentes distribuídos entre todos. Cheguei perto de um negão e disse também quero. Veio um prato enorme com abará, efó, xinxin de galinha, acarajé, sarapatel, etc. Grato, perguntei ao negão onde pagar. O tempo fechou. Vi que tinha dado uma mancada. Pedi desculpas. Ele me disse que era uma quarta feira de oferendas aos orixás. Que era tudo de graça. Que não desse nem gorjeta ao flanelinha caso tivesse vindo de carro. Debaixo de uma mangueira sagrada fui comendo devagarinho, contrito. Súbito um branco todo de branco chapéu todo cheio de colares. Estes caindo sobre o peito. Me abraçou com força. Era meu colega médico da mesma turma de 1968. Chamou alguém e nos conhecemos como da mesma Faculdade. Era o presidente da associação civil do Candomblé de Mãe Stella, enfermeira tisnada do negro azulado da mãe África. Quando for à Bahia vou lá. Numa quarta feira de oferendas. Para horror de irmãos protestantes que lamentam eu ser o único católico apostólico romano. Querem que eu me salve do inferno.

Tudo o que você deseja ou não deseja vai ocorrer se Deus quiser