sexta-feira, fevereiro 17, 2017

O marujo. Charles Fonseca. Poesia

O MARUJO
Charles Fonseca

Os ruídos do amar,
o marulhar das ondas,
os gemidos ao luar,
o quero mais nas sombras,

nas noites escuras, ai,
nas profundezes, ui,
no líquido de um que flui,
gemidos sem dor, vem, vem mais.