sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Haver. Charles Fonseca. Poesia

HAVER
Charles Fonseca

Quando chegar o último momento meu
Aos pés da santa cruz leva pecados últimos
Teus para comigo orgulho ódio fúlgidos
Crepitantes vivos, perdão eu peço a Deus.

Melhor pra todos não mais o falso eu ver
Ouvir pio adeus enquanto a vida esfria
A ceifadeira perto a mim o joio espia
Meu corpo ao pó, minha alma de Deus haver.