terça-feira, agosto 16, 2016

Estação primeira. Charles Fonseca. Poesia.

ESTAÇÃO PRIMEIRA
Charles Fonseca

Não estranhes se ereto fico
Mastro porta bandeira eu rosa
Mangueira tu tão formosa
Minha escola de samba grito

Gruta profunda veio da terra
À flor das matas teu doce favo
Que eu poeta em teu peito cravo
Beijo lascivo que em ti encerra.