quinta-feira, março 08, 2018

SOCORRO. Charles Fonseca. Poesia.

SOCORRO
Charles Fonseca

Socorro, meu pai não fala,
Não ouço Deus te abençoe
Bênção, por mais que ressoe,
Resta em saudade guardada.

Socorro, meu pai não vê,
Fugiu-lhe a luz do dia
Da noite a estrela guia
Perdeu o seu brilho, crê.

Socorro, está morrendo
Um homem bom, terno,
Pra vida, sobe ao Eterno,
A prece dos cegos vendo.