quarta-feira, janeiro 31, 2018

OS VIVOS MORTOS. Charles Fonseca. Poesia.

OS VIVOS MORTOS
Charles Fonseca

Naquela tarde distante
Foi-se mais um em silêncio
Sem dar adeus com um lenço
A vivas faces semblantes

Umas a chorar às outras
Outras chorando por si
Mais umas sorrindo em si
Tantas em vozes roucas

É que ali foi-se um puro
De coração aos pedaços
A sair deste regaço
Do mundo dos vivos duros

De corações abjetos
Inflados peito orgulhos
Murchos amores discretos
Sobre suas almas monturos.