segunda-feira, julho 24, 2017

Art. 7 — Se Deus é o objeto desta ciência. Suma Teológica. São Tomás de Aquino

Art. 7 — Se Deus é o objeto desta ciência.
(I Sent. Prol., a. 4; in Boet., De Trin., q. 5, a. 4).
O sétimo discute-se assim — Parece não ser Deus o objeto desta ciência.
1. — Pois é necessário, em qualquer ciência, supor a essência do objeto, segundo o Filósofo. Ora, esta
ciência não supõe a essência de Deus, pois, diz Damasceno: É impossível assinalar a essência divina.
Donde, não é Deus o objeto desta ciência.
2. Demais — abrange o objeto da ciência tudo o que ela trata. Porém, na sagrada doutrina, há muitos
outros assuntos além de Deus, p. ex.: as criaturas e os costumes humanos. Logo, não é Deus o objeto
desta ciência.
Mas, em contrário, objeto da ciência é o assunto nela principalmente tratado. Ora, Deus é o assunto
principal desta ciência, pois é chamada teologia ou tratado de Deus. Logo, Deus é o objeto desta ciência.
SOLUÇÃO. — Deus é o objeto desta ciência, porque o objeto está para a ciência como para a potência
ou hábito. Ora, propriamente, é considerado objeto de potência ou hábito aquilo sob cujo aspecto se
lhes refere qualquer coisa. Donde, referindo-se à vista, enquanto coloridos, o homem e a pedra, é a cor
o objeto próprio da vista. Ora, a sagrada doutrina tudo trata com referência a Deus, por tratar ou do
mesmo Deus ou das coisas que lhe digam respeito, como princípio ou fim. Pelo que, é Deus,
verdadeiramente, o objeto desta ciência — o que também se demonstra pelos princípios da dita ciência,
ou artigos da fé, de que Deus é objeto. Ora, idêntico objeto têm os princípios e toda a ciência, por estar
a última, total e virtualmente, contida nos princípios. — Certos, porém, atendendo às matérias tratadas
e não ao ponto-de-vista, a esta ciência assinalaram outro objeto; como, a realidade e os símbolos, ou as
obras da reparação; ou todo Cristo, i.é., a cabeça e os membros. E, com efeito, são consideradas nesta
ciência todas essas matérias, se bem com relação a Deus.
DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — Embora seja impossível conhecermos a essência divina,
contudo nesta doutrina, lhe usamos do efeito, no domínio natural ou da graça, em vez da definição da
causa, para daí tirar as conclusões da ordem divina, consideradas na mesma doutrina. Assim como, em
certas ciências filosóficas, pelo efeito se demonstra algo da causa, tomando aquele em lugar da
definição desta.
RESPOSTA À SEGUNDA. — Todos os demais assuntos tratados na doutrina sagrada estão incluídos em
Deus, não como partes, espécies ou acidentes, mas como a ele de certo modo ordenados.