quarta-feira, junho 21, 2017

A porta. Charles Fonseca. Poesia

A PORTA
Charles Fonseca

Amada minha, é cedo ainda
Para partires, não te iludas.
Demos um ao outro nossa ajuda,
Temos a andar uma senda infinda.

Pros invejosos, demos caluda.
Dos mal amados, tenhamos dó.
São maldizentes, rastejam ao pó.
Pra nós só gozo, amor, ternura.

Aparta o mal, meu bem, não partas.
A parte nossa é só prazer.
Aporte, unidos, nós vamos ter.
A porta fecha, amor, não partas.