quarta-feira, junho 14, 2017

A carta. Charles Fonseca. Poesia

A CARTA
Charles Fonseca

Há uma carta guardada
Outra há foi respondida
Uma há que foi negada
Outra que foi omitida

O símbolo assim passeia
De mão em mão à deriva
Muito há que ouvir de oitiva
Mentiras só verdadeiras

Morrem as coisas se são ditas
Sem palavras há fantasmas
Se afundam medram miasmas
Mil almas gemem aflitas