segunda-feira, maio 15, 2017

Prometeu. Fabio Weintraub. Poesia

PROMETEU
Fabio Weintraub


o fogo roubado
não é senão
a branquinha humilde:
brasa solitária
entre os carvões da vida

a ira divina
é pouco mais
que a recusa do garçom
em servir
a enésima dose
fiado

o castigo
este sim
tem a grandeza do mito:
a cirrose vulturina
com a família nas garras
da Previdência