quinta-feira, maio 25, 2017

Doria acertou ao retirar à força os toxicômanos do crack das ruas ?

"Doria acertou ao retirar à força os toxicômanos do crack das ruas ? Como médico psiquiatra, que lida ininterruptamente com esta população há 32 anos, acho que sim. Quem perdeu a liberdade de escolher entre usar ou não uma substãncia já perdeu a capacidade mental de auto-determinar-se. É doença mental, consequentemente afeta a capacidade de auto-avaliar-se, a capacidade de avaliar o mundo. Perdeu determinadas capacidades cognitivas e também as capacidades volitivas de determinar-se de acordo com eventuais cognições. Ou alguém acha que largar a casa, família, emprego, cama-comida-e-roupa-passada, para ir morar na rua, como um rato-em-busca-de-um-cachimbo é uma “escolha ideológica”, um “efeito nefasto da burguesia?”. A doença psiquiátrica severa, em sua maioria dos casos, afeta o lobo frontal, região do cérebro que é responsável , entre outras, por julgar o próprio comportamento. O fato de um doente não julgar-se um doente não o torna menos doente, ou menos perigoso para si ou para outrem. Todo dia interno um "punhado de gente" , trazidos pelas famílias, com base nestas noções médicas,[sim, há critérios objetivos para isso] sem autorização de juiz, de promotor, de autoridade nenhuma. Só com a avaliação médica-psiquiátrica do paciente, com o pedido da família/companheiros, que é, note-se, "rica" ou "classe média". Mas quando é pobre, miserável, "de rua", aí é preciso que os "Direitos Humanos", a "Esquerda Coitadista", o "Socialismo Estatal Judiciário/Promotorial/Defensorial" entrem em ação. Afinal é preciso que haja uma justificativa plausível e visível para certos altos salários." Marcelo Ferreira Caixeta