quarta-feira, abril 12, 2017

Nas águas de Maceió. Charles Fonseca. Poesia

NAS ÁGUAS DE MACEIÓ
Charles Fonseca

Nas águas de Maceió
Nas ondas à beira mar
Deitada balança só
Sereia Iemanjá

No vai e vem do seu corpo
Balançam os peitos nus
Balouçam à brisa sul
Cabelos cobrem seu dorso

Sou poeta, não me cobrem,
Amores pra ela vão
Ao fim é só ilusão
Sonhos que no peito dormem.