domingo, março 05, 2017

Nas tuas mãos. Charles Fonseca. Poesia

NAS TUAS MÃOS
Charles Fonseca

Do presente que faço eu
Que é teu um todo ausente
Que em mim um todo carente
Dormita em braço morfeu?

Que faço eu do passado
Tão presente na memória
Como contar esta história
Ao imigo acoitado?

Que faço eu do futuro
Tão vivo no meu passado
Confesso, estou cansado,
Teu desamor esconjuro.