terça-feira, dezembro 27, 2016

Livro. Charles Fonseca. Prosa

LIVRO
Charles Fonseca

Minha vida é um livro aberto. Tudo o que sou a nível consciente está exposto no meu blog desde 2006 e no facebook mais recentemente. E eu com isso? Podem folhear à vontade. São páginas explícitas, muitas medíocres, umas líricas, aqui ou acolá uma dor, uma flor beira caminho, um passarinho, um criador incriado, uma fé aqui tá fundo aqui tá raso. Não tenho grandes posses, umas roupinhas, objetos de toucador. Um carrinho, símbolo de poder pequeno. Uma mulher, símbolo de grande virtude, sua filha, uma jóia preciosa que fica na ostra o mais das vezes mas que quando sai brilha ao luar, as estrelas luzentes competem com ela. Dois filhos meus, a minha herança são eles, já recebi em vida, um privilégio. Por enquanto um netinho ao longe, distante, ainda bebê. Mas que fazer? O ninho vazio, um dia chega pra uns de um modo, pra outros de modo semelhante. É só esperar. Eu não pude esperar tanto. Mas minha casa é um novo ninho, a porta aberta, o que mais resta? Escrever o que não sei dizer às claras nem porta travessa. Que meu nome está errado, meu nome é Amorildo do Amor Divino, sem os sobrenomes orleans e bragança nem os algarves de castela e aragão. Pra que brazão?