quarta-feira, dezembro 28, 2016

Calendário. Charles Fonseca. Prosa

CALENDÁRIO
Charles Fonseca

Que belo mês o de outubro! Balança o seu símbolo, balança o meu coração. Nele nasceu meu filho, o meu maior orgulho transferencial do que sonhei e não pude realizar. A minha amada também. Com ela me casei, namoro, noivado e casamento em vinte dias. Palmas pra ela que com um beijo selinho acordou o belo adormecido que assim descobriu que já estava namorando. Nele nasceu também meu irmão solidário que se foi aos quarenta e dois pra nunca mais voltar. Dos meus 68 janeiros fico a cismar com esse calendário que me trouxe tantas surpresas na vida. Nele nasceram uma doce irmã, um irmão inteligente, minha mãe intransigente nos seus princípios morais e religiosos. Em março nasceu meu pai, um homem bom e também meu irmão caçula, o mais puro de todos que se diz lavado pelo sangue de Cristo e, embora com um imaginário hipertrofiado, nunca perdeu a candura. Também nele nasceu minha filha, estou ainda pra ver uma mulher de tanta garra, grande amor de minha vida. Em junho, no dia de São João, meu primeiro neto puxando a fila de tantos outros que mais chegarem. Em julho, minha enteada, a doçura que sempre sonhei. E ainda não era natal e nasceu a minha irmã que salvei das águas juntamente com meu pai. Foi o mais heroico gesto da minha vida aos seis anos de idade, tão pouco mas para mim tão grande feito!