segunda-feira, novembro 21, 2016

Olvido. Charles Fonseca. Poesia

OLVIDO
Charles Fonseca

Que amor é esse que não aflora,
que não dá frutos,
que é remora,
não há remir,
eu a partir,
já vem a hora?

Que ódio é esse,
amor de mais,
vem lá de trás,
ouço um vagido,
inda que mouco,
não estou louco,
eu não olvido?