quinta-feira, novembro 03, 2016

O sêmen a dor saiu a semear. Charles Fonseca. Prosa

O SÊMEN A DOR SAIU A SEMEAR
Charles Fonseca

Leu e releu muitas vezes e de vez em quando ainda volta a ler e assim será outras tantas até cansar. Exaurir o pasmo, a dor do amar em vão e lá se irão os anos correndo loucamente pra ele e pra ela cujo nome é ilusão. Um sonho desmontado dia a dia, passo a passo, pedra aqui cascalho acolá. Plantado em solo raso, floriu. Chegou mais uma terra boa e reflorou, antes de dar fruto veio o joio e empesteou a seara. Ventos do deserto trouxeram as sementes dos carrapichos que a tudo sufocaram. O bom senso recomenda virar a página, cuidar do que outros plantaram, uma colheu, outro não. Nunca desistir, sempre arar, sempre há ar.