sexta-feira, novembro 11, 2016

Musa. Charles Fonseca. Prosa

MUSA
Charles Fonseca

Ela põe o marca passo no paciente e eu nesse descompasso digito esse texto que começo sem saber o que escrever, de quando, pra onde, ninguém, eu só. Um mistério essa arte na qual me inicio sem estudo, ex-tudo, sem escola, ex-mudo. Eis o nada mais que um passa tempo que só ocorre depois que passou. E agora, como ir em frente se nada me surge à mente que, grande mentirosa, esconde? Por que e para que, só Deus sabe. Esse tal de inconsciente não me deixa falar toda a verdade, só meias palavras de lavra tosca. E agora? O antes? O depois? Venho da poesia e não sei prosear. Você me ajuda, me tome pela mão, vamos pelos ares, por entre as nuvens, eu nefelibata de antanho, minha musa, meu grande amor.