terça-feira, novembro 08, 2016

Janelas. Charles Fonseca. Prosa

JANELAS
Charles Fonseca

Na minha janela quase todo dia um bem-te-vi vem me ver. Mas não canta. Olha duas três vezes ao dia e vai embora. Por que será que ele não diz que me viu? Será que não gosta de me ver ou será que já não tem mais como sofrer a dor da separação que a vida nos impôs? E eu o olho com aquele olhar de coruja como só o pai sabe olhar para o filho. Mas ele não é coruja, só vem me ver e desejo que cante bem-te-vi!
Da minha janela fico a sonhar com uma pombinha que pelo que canta imita “fogo-pagô”. Será que apagou a chama do amor primeiro ou dormita ele em sonho morfeu? Será que ela se perdeu sem ele no seu peito? Ou será que muito já pagou pelo que não duvido? Ave de arribação, tomara que um dia volte a me alegrar o coração e que traga sua ninhada a me ver eu quase em nada!
Por minha janela voejam colibris ditos beija-flores. Que belos, silentes, bebem o seu néctar e se vão nos seus arroubos. Que cochicham entre si de minhas dores? Ou dos meus amores? Ou dos beijos roubados das minhas rosas, dos meus ibiscos multicores?
Bem-te.vis, arapongas, fogo-pagôs, saracuras, sem fim, voltem pra mim, coruja de olhos baços!