segunda-feira, novembro 14, 2016

E o verbo se fez carne. Charles Fonseca. Prosa

E O VERBO SE FEZ CARNE
Charles Fonseca

Por um instante algo fez-me terno. Teria o que escrevo algo a ver com quem sonha, com quem anela, seria quem a musa, seria aquela essa ou esta? Fico encabulado e nego peremptoriamente, cheio de convicção. Que digo àquela mulher? Que ela é e não é, que foi e não vai ser, que seria não fosse eu ter uma mulher e ser e estar e haver.