domingo, outubro 30, 2016

Assim. Charles Fonseca. Prosa

ASSIM
Charles Fonseca

Olho para trás e penso: como fui capaz de tão pouco e de tanto? Que futuro ainda haverá antes do aqui jaz? Algumas vezes já tive a ideia ante o real de que coloquem "aqui jaz aquele que viria a ser". E seria, com certeza, não fosse a foice derradeira. E mesmo que pás me cubram, mesmo que nas águas afunde, mesmo que em fumos eu suba, ainda assim ficará em ato o meu exemplo, o bom e o mau, o virtuoso e o néscio, o amor de mais e o insensível, a lembrança amiga e o esquecimento que não chega. Assim foi, assim é, assim será.