domingo, julho 03, 2016

Vestibular. Charles Fonseca. Poesia

VESTIBULAR
Charles Fonseca

Socorro, assim o amor por ela acaba
Ao cabo assim recolho a minha vela
No cais não quero mais a mim releva
O quanto que lhe quis ao fim o nada

O quanto lhe amei cheira a sargaço
Lasso ao seu enlaço eis-me à lamela
Onde está a amada onde ela
A me nutrir ao mel após transpasso

Do seu vestíbulo estive nos umbrais
E nos seus ais estive mais que louco
Silente aos seus pedidos fiz-me mouco
E aos seus gemidos rouco entrei bem mais.