segunda-feira, junho 13, 2016

Trindade. Charles Fonseca. Poesia

TRINDADE
Charles Fonseca

Graças a ti, Pai, é que dou
Pelos anos de espera
De um amar, ai quem dera
Por cravo à lapela flor

Por maior amor ao Filho
Morte de cruz em não tê-lo
Tão perto a mim em não vê-lo
Eis um Calvário sem brilho

Espírito santo, grato
Por minha vida que vela
Por ter-te ao meu lado em espera,
Pós filhos e netos, parto.