quinta-feira, junho 16, 2016

Caldo verde. Charles Fonseca. Poesia

CALDO VERDE
Charles Fonseca

Não cedo à tentação
No cheirar eu sou tão tardo
À distância este teu bardo
Caldo, ver-te agora não.