quinta-feira, junho 09, 2016

Acauã. Charles Fonseca. Poesia

ACAUÃ
Charles Fonseca

Na acauã em seus olhos circunda
Faixa negra que vai à cerviz,
À cabeça branca lhe segue o verniz
Dum pardo dorso que à cauda funda.

Mancha clara circunda o pescoço
Tem faixas claras na cauda transversas,
O branco por base em seu corpo prega
A paz que ela nega sangra o dorso

Do pobre borrego, caatinga a pastar,
Da ovelha marrã que foge da onça,
E eu a lhe ver não sei que vingança
Traz-lhe no peito, sua vida é matar.